domingo, 17 de junho de 2012

Um Português no topo dos ..Alpes

Paixaodabola na vitória histórica de Rui Costa na Volta à Suiça.

Domingo, 17


Volta à Suiça
Embora o ciclismo seja um desporto sem ...bola, não poderei deixar em branco a histórica vitória de Rui Costa da Movistar na Volta à Suiça em bicicleta, sendo que a mesma representa algo de histórico e sem precedentes para o ciclismo Português.
Rui Costa já tinha tido lugar de destaque na recente volta à Romandie , conquistando ai um honroso 3ºlugar na classificação final, demonstrando então todo o seu potencial.

"O ciclista Rui Costa, da Movistar, tornou-se este domingo no primeiro português a vencer uma prova por etapas do World Tour, ao conquistar a Volta à Suíça. O ciclista português, de 25 anos, envergou a camisola amarela após triunfo na segunda etapa, tendo aguentado depois a camisola amarelas nas sete etapas seguintes, apesar dos muitos ataques dos adversários.
O ciclista nacional entrou na estrada com 14 segundos de avanço para Frank Schleck, conseguindo terminar a tirada 9 ao lado do luxemburguês da RadioShack. Após cruzar a meta, o português abraçou imediatamente Alejandro Valverde, o chefe-de-fila que foi gregário em prol do português.

A vitória na etapa foi para o estónio Tanel Kangert, da Astana, numa tirada entre Näfels-Lintharena e Sörenberg, de 216 quilómetros, com quatro contagens de montanha."

Fonte : A Bola 





4 comentários:

Núcleo SCP Carapinheira disse...

Caro Mattos

É uma pena que neste pequeno país se pense...em ponto pequeno. É por isso que estas modalidades não sobressaem, mesmo que pontualmente apareça um destes "iluminados" que parecem querer desmentir que o nosso desporto é futebol, e pouco mais. De quando em vez lá nos aparece um atleta excepcional, que camufla todas as lacunas do nosso desporto. Foi assim com Carlos Lopes, Rosa Mota e mais meia dúzia de figuras do atletismo, foi assim com Agostinho, a "desaparecida" Vanessa, entre outros. No hóquei do nosso contentamento há muito que passámos o testemunho, talvez por a bola ser muito pequena. Assim, vamos tendo pequenas alegrias, sempre à espera que, do nada, apareça outro predestinado, mas prontos a criticar caso não consiga os feitos que os portugueses anseiam para se equiparar aos outros. Tive oportunidade de seguir as duas últimas etapas, depois de ter alargado a vantagem no contra-relógio,e foi quase agónico. A etapa de Sábado tinha imensas dificuldades e foi a muito custo,e graças ao trabalho do seu chefe de fila que conseguiu segurar a amarela. No Domingo mais montanha, mas a marcação cerrada que fez a Schleck permitiu-lhe segurar os 14 segundos de vantagem. Parabéns ao ciclista, que volta a colocar a modalidade no panorama internacional, depois da prata de Paulinho dos Jogos de Atenas.

Abç e Cumprimentos

R.N.

Mattos disse...

Caro amigo..

Pois é, o nosso pequeno Pais por vezes traz-nos estas pequenas surpresas e alegrias, Rui Costa suou muito mas no final sorriu como um campeão.
Por estar a residir em Sion, tive a oportunidade de assistir ao "vivo" à etapa da conquista da amarela e desde logo deu para perceber que seria tarefa "herculesca" manter a mesma, mas a raça deste humilde Lusitano veio ao de cima e com grande esperito de sacrificio e de equipa venceu.
Quanto a Vanessa Fernandes, que raio se passa com esta talentosa atleta que de repente ...........sumiu ??


Abraço

Núcleo SCP Carapinheira disse...

Depois de Vanessa ter dominado toda aquela época que antecedeu os JO de Pequim,era com grande expectativa que todos aguardávamos pela prova. Fiquei acordado naquela madrugada e foi com alguma desilusão que vivi a prata, pois ela tinha demonstrado capacidade para vencer. Quando os comentadores de serviço dizem que, dada a idade de Snowsill, Vanessa seria a grande candidata ao ouro em Londres, nessa mesma madrugada comentei como podem eles saber o que se vai passar passados 4 anos. Aquele era o momento e a forma ideais para ter vencido, mas falhou, dado que, se me recordo, teve um percalço na preparação aos Jogos. Depois, bem, foi uma sucessão de acontecimentos que precipitaram o final da sua carreira. Dado que vivia desde muito nova em regime de internato no Centro de Alto Rendimento, tinha uma preparação ideal mas também foi privada, desde os 15 anos(creio) de uma vida de adolescente. Passado pouco tempo dos jogos desvinculou-se do treinador, saiu do C.A.R. e foi para casa dos pais, onde começou a treinar por conta própria. Desistiu na maioria das poucas provas onde participou, faltou a provas em estágios onde participava e foi também internada por padecer de bulimia e anorexia. Foi também falada por ter um namorado que não queria que ela competisse...e que terá ajudado a esta mudança de rumo, bem como a noitadas bem regadas. Enfim, tinha tudo para ser um prodígio na modalidade e para entrar para a galeria dos nossos mitos. Optou por voltar a ser adolescente e essa atitude vai colocá-la na galeria das grandes decepções. Por muitas qualidades inatas que tenha, já são muitos anos perdidos e a rotina de um trabalho meticuloso. É uma pena, por ela...e pelo nosso desporto.

Abç

Mattos disse...

Boas...


Caro Nucleo...

Desde já, o meu obrigado pelo esclarecimento em torno do desaparecemento da nossa Vanessa Fernandes, sendo que desconhecia por completo alguns dos factos relatados.
Perdeu-se de facto uma CAMPEÃ, mas a vida é mesmo assim,caminhos e ...opções.


Grande Abraço